4 de outubro de 2012

a filosofia nas pessoas

As pessoas vão e vêm. As pessoas vão e vêm e não esperam. Não esperam que vás comprar o passe para ir contigo no metro e não esperam que acabes de tomar o pequeno almoço para usufruírem de companhia até ao destino. Simplesmente, não esperam. Não esperam e não ficam. Não te ouvem quando tu pedes para ficar e não ficam porque simplesmente pedes para o fazerem. Outrora, enquanto essas pessoas te deixam para chegar primeiro as estações calmas, retenho-me e deixo-te ir. Porque tu não sabes o quanto por vezes se gosta, se ama, se consola ver uma pessoa a ser feliz. O quanto é bom reconhecermos e sabermos que a nossa volta, para além de nós, existem subconscientes e esses mesmos também precisam de cuidados. Por isso, tu não sabes. Não sabes que enquanto todas essas pessoas te deixam chegar primeiro, estou aqui para fazer o oposto. Deixo-te chegar primeiro e não me importo com isso. Nem com outra coisa qualquer. Seja com chegadas ou com partidas pois caminhos existem tantos e sou daquele tipo de pessoas que são indecisas nas direcções que vão dar sempre ao mesmo lugar: onde nos sentimos bem. Sinto-me bem dentro do teu coração, por isso, posso ficar mais um pouco ou tenho de esperar que pare de chover? Sei esconder o que sinto e não sei dizer o que quero mostrar. Por vezes, perdemos as pessoas que gostamos porque não perdemos tempo a dizer-lhes que gostamos delas. Sou daquele tipo de pessoas que adorava que cada manhã se fossem feitas certezas. Assim teria a certeza que a cada manhã tu tinhas a certeza que sou calada simplesmente porque os sentimentos me assustam. Amar alguém assusta-me por saber que já me vai doer. Pelo ritmo que marcamos ao estarmos nervosos para o primeiro encontro. Por darmos beijos no pescoço sem saber como o outro ira reagir. E, se houver arrepios ficamos maravilhados por conseguirmos ver que sentimos a flor da pele. Anseio pelo dia que tenha coragem de disparar balas daquilo que me vai na cabeça a alguém. Hoje, escolho-te a ti mas como és tu que sempre te me diz - as tuas prioridades mudam. Então, as vezes, desejo que mudem mesmo. Só para não ter que levar com as tuas filosofias rascas... Porque, existem pessoas que não mudam as suas prioridades, nunca. Existem prioridades sem limites, com espera infinita. E, apesar de me dizeres para não esperar, vou fazê-lo. Primeiro, porque não mandas em mim. Segundo, porque sou mais teimosa que tu. Terceiro, porque gosto de ti. Mesmo que quando o diga, tu fujas de mim a sete pés e te retenhas ao silêncio. Mas, sabes que mais? Fugir de mim, não me assusta. Chateia-me. Fazes-me sentir uma grande filha da puta, um papão que te rebentou com as artérias sentimentais e que não te deixa respirar. E, chateia-me porque no fundo és um bocado-bocadão como eu - também fujo e escondo-me. Já me escondi de ti sem saber muito bem porquê. Já fugi de ti e não me lembro quando. Enterras-te o teu sorriso na minha pele. Mas, é que me deixei de te perguntar se posso ficar em ti. Há uns dias uma pessoa disse-me: Não podes pensar que todos te conseguem ler nas entrelinhas.
Mas, sei que tu consegues. E, sei que se quisesses o fazias. Eventualmente, com um click tu sabes tirar-me respostas mas não as queres. Talvez porque sejam respostas a perguntas que queres enterrar. Para mim, existem sempre perguntas que nos assombram a vida toda. Abre a tua mão. Dou-te papeis que são os meus melhores amigos e sim, quero que saibas que escrever-te com ou sem paixão é a maior prova de coragem e de honestidade que te posso oferecer. E, quero que por entre as ruas do Bairro Alto, sempre que lá fores olhes para todos os cantos e procures alguém como eu. Sabes que sou diferente de tudo... Especificamente, de todas. Nenhuma delas é como eu. Seria capaz de lhes ensinar as regras das boas condutas de gostar de alguém... Que mesmo calada consigo dizer as minhas quatro paredes o quanto me espanca este amor que sinto por ti. Nenhuma é igual a mim mas se eu fosse mais diferente ainda então nunca tinha deixado que a próxima existisse. E, o que mata é que vás parar as mãos erradas. Que eu preferia alguém calado do que a alguém que calado seria um poeta!

9 comentários:

Aurora disse...

Gosto quando lhe escreves, este teu sentimento que não morre. Lindo princesa

nês disse...

que perfeito +.+

nês disse...

de nada :)
o problema é que se me tornar forte como um vidro acho que como isto está essa força ainda se vira contra mim :/

nês disse...

apodera sim, mas tem consequência menores pelo menos na minha cabeça é assim..

Gabriela. disse...

http://continuasempre.blogspot.pt/ , meu novo url, espero que voltes a seguir :)

nês disse...

é verdade e também é verdade que agora sou assim :/

db disse...

mas eu gostava que me desses a tua opinião acerca do que escrevo.

Sara Daniela disse...

eu quando estou triste, não sei disfarçar. não consigo nem quero, precisamente por ainda me deixar pior psicologicamente. eu sou uma pessoa transparente e penso que isso só me prejudica e só afasta as pessoas de mim.
e obrigada, tu também sabes que podes desabafar no meu blog ;)

Aurora disse...

escrevi-te fôfa