1 de março de 2013

Fazer-te trabalhar no duro.


Compreende-se que o simples e o linear deixa de ter graça em certas linhas da Vida. Que a lógica, o poder da lógica e o concreto não são mais que simples visões. Que tal como uma sábia escreveu o amargo também é sabor e que apesar de fazermos cara feia ao prova-lo, provamos. Que venenos são fatais se os beberes, sim. No entanto, também são fatais se os originares pois a ganância está naquilo que é poderoso. Não há nada igual. Só o desejo de poder repetir ou de poder ter sido diferente. Tudo o que dás a ti pode não voltar. Amas como nunca amaste, és fodido como nunca fodeste. E, é somente ao provar o amargo que entendes o doce. Que o aprecias. Congelas mas nem estás na Sibéria. E, esquentas e nem estás no deserto. Para tudo existe uma explicação... Mentira. Para tudo existe uma razão... Mentira. No entanto, tudo o que recebes é a reacção da tua reacção consoante te fazem. Consoante te consomem. Consoante o consoante. E, só uma coisa que aprendi: Foda-se os consoantes. O pior veneno sou eu. Ponho-me firme consoante os consoantes. 

3 comentários:

kowodzpin disse...

uou. este fez a minha noite acabar em grande. talvez tenha sido do amargo do alcool desta noite, mas este texto soube-me pela vida. brilhante. danke

Pedro disse...

Muito bom este texto :)

Quell Dama @ disse...

Pedro, obrigada e visita sempre que quiseres :) *