2 de fevereiro de 2013

debaixo do fumo


Eu e a minha brocas. Nunca questionei o que outros pensavam de mim. Nunca o precisei de fazer. Nunca o irei fazer. Porque não me importa. Nem me convém. Nem me faz diferença. Vivo bem comigo própria. Com os meus maus vícios. Com o meu feitio de merda. E, com erros e falhas. Porque vivo tipo num conto de balas de bolinhos... É tudo muito bonito mas aquilo é a real life de um nigga que teve de criar um filme totalmente estúpido para criar uns trocos no bolso. É assim que as cenas são feitas. Nós podemos, muitas vezes, não fazer aquilo que mais gostamos mas ao fazer uma coisa que nos dá poder passamos a gostar. Foda-se, e eu? Nunca quis poder. Nem vou querer. E, não digo que adoro simplicidade. Detesto-a. Que gosto de ver e de por um batom vermelho caliente nos lábios, um vestido curto e andar de vodka na mão no meio do bar a sentir que eles olham para mim como lobos famintos. Eu gosto porque se eu tivesse tomates nunca seria como eles. Nunca porque é tão nojento que me chego a rir. Vivo bem como o que tenho mesmo tendo plenitude que me faltam algumas coisas. E, quê tiro fotos a fuma-los? Algumas putas tiram fotos quase nuas e ninguém lhes chama de putas. E, todos essas pessoas que dizem, fazem e acontecem - paleio de saco! 

2 comentários:

Miguel disse...

eu sei, mas não é normal..

Sentimentos Incontrolados disse...

Adoro quando dizes estas verdades do mundo falando de ti própria.