2 de fevereiro de 2013

Tenho a vida guardada na gaveta com uma 38 ao lado

One Love pela familia doentia, amigos certos, verdadeiros, incorrectos e pelos os que se foram e pelo Hip Hop.
Nada mais importa nesta vida. 

Mas, somos aquilo que queremos ser? Se o ambiente que nos cerca nos mata então como aceitamos que gostamos de cada canto que nos descreve? Se existe um Passado pesado nos ombros e o Presente com um sorriso escondido o que nos faz levantar todo os dias de manhã? Não sei. Penso que seja por isso que tem dias em que permaneço na cama até sentir dores no corpo de tanto permanecer no mesmo sítio com a mesma vontade de ver luzes e fumos. Se vamos sair, fumar e beber porque não aguentamos a ressaca dos nossos problemas da mesma forma que aceitamos a ressaca das nossas maiores merdas mas as mais felizes?  Porque é que o nosso espelho um dia está limpo até ao ultimo atalho e numa hora seguinte está cheio de nódoas negras? E, porque é que decoramos um número de telemóvel na nossa memória quando o apagamos das nossas informações? Porque perdemos o interese na pessoa actual e não na pessoa desactual. E, parece que o Passado não é ser somente Passado. Que águas passadas ainda movem moinhos. Não temos maneira de sermos de outra maneira? Ou, não escolhemos as maneiras porque acordamos e estão pregadas a nós? Se ganhamos rancor é preciso ter Amor porque para dar rancor de bandeja é necessário ter valor. Porque é que a nossa casa nuns dias é o melhor spot e noutros é o nosso maior buraco negro? Não nos ralamos porque não podemos mudar de direcção. As dúvidas são a nossa maior morte? E, as discussões são o quê? E, as explosões de palavras que não podem ser ditas e o calar das palavras que deveriam de ser ditas... É o quê? Nós somos aquilo que queremos ser? 

9 comentários:

Cláudia Ribeiro. disse...

Escreves tão bem..

Cláudia Ribeiro. disse...

Tu escreves lindamente, não duvides disso. Achas? o:

a refugiada disse...

escreves mesmo bem, acredita. muitos parabéns, doce *

Cláudia Ribeiro. disse...

Mas eu tenho a certeza que a minha escrita comparada com a tua não é quase nada. Mas, obrigada :)

Cláudia Ribeiro. disse...

Não acho que tenha "tanto" talento como tu.

Cláudia Ribeiro. disse...

Não é retirar crédito, é o que acho.

Miguel disse...

Obrigado, significa imenso! e tu também, leio o teu blog sempre que postas alguma coisa nova, escreves muito bem.

Miguel disse...

não sintas. há pessoas que não gostam, mas ainda bem que tu gostas.
isso não sei, às vezes parece que falo para as paredes, mas acho que toda a gente se sente assim num ou outro ponto.

Miguel disse...

obrigado, a sério. acho que nunca me disseram isso.