16 de fevereiro de 2013

Ao inicio, fomos sempre filhas das putas

Esvoaça os melhores sorrisos dele. O seu carinho cola intensamente nos meus sentidos. O Mundo virou ao contrário para nos encontrar-mos naquela esquina e para alinharmos horas de conversa. Não queria contar esta história mas é uma história quase de amor. Como quando sentes que pode ser diferente e de ser tão diferente, queres fugir só que na mesma direcção para onde os passos dele desfazem as folhas de Outono. Encosta a sua testa na minha testa, olhos nos olhos, sinto-o vivo nos meus braços. Mas, como é que aguento tanta fragilidade de uma pessoa só? Como é que aceito um amor que nunca tive? Como lhe digo que o seu sorriso... Bem, o seu sorriso não me tem deixado dormir durante a noite e que de dia de tão perto que moramos um do outro só me persisto a cruzar com ele. E, quando não me cruzo fico triste da Alma. Porque quis fugir e nunca se cansou de me procurar. E, daquela vez que me procurou... Nunca fui capaz de lhe dar o meu sexto sentido de graça. E, ele dá-me todos os seus sentidos. É como se agarrasse em mim e me espremesse até ao limite. Como se me sentisse apaixonada com a inocência de uma criança que sente tudo a flor da pele. Renova-me. Faz-me mais eficaz. Cada abraço que me dá sinto ser tão dele que me assusto. Cada beijo que me pede sinto a força dos céus a pedirem-me para não dar dois passos atrás. Dizem-me que só tenho de sorrir porque aconteceu. E, dizem-me que cada vez que aconteça de novo só tenho de sorrir. Mas... E, se só me apetece beija-lo? Não me posso calar com a verdade. Seria injusto da minha parte para com a dele. Tenho tanto para te dizer que me viras o Mundo ao contrário. Peço-lhe em segredo que me dê o amor que nunca tive e mesmo sem saber... Já me dá. O meu Mundo ao contrário. 

2 comentários:

SimpleThing* disse...

Adoro o que escreves, gosto do blog, sigo :)

Jun disse...

Muito obrigada...