5 de fevereiro de 2014

um olhar fodido, abatido e apagado

A vida é uma rotina que nos come vivos. É fodido chegares a beira da pessoa de quem gostas e veres nela um olhar fodido, abatido e apagado. Porque não há dinheiro e nada dá frutos com sumo. A cabeça não descansa de noite porque existem vidas que são tão filhas das putas que só nos trazem dilemas, esquemas controversos, bolsos vazios. Ele, acorda todos os dias de manhã com um sorriso estampado no rosto mas dormiu sob problemas. Todos eles são como cancro. Fico na cama, sei que permanecer ao lado dele lhe dou mais uma alegria ainda que me magoe não ser o suficiente se tudo o que temos nem é nosso. Não lhe peço presentes. E, tudo o que temos é amor e uma cabana e aprendemos a viver humildemente. Lá no fundo, vejo uma casa bacana. Pequena e cómoda. Será a nossa casa. Recuso-me a deixar de pensar positivo por mais que só saia lixo deste esgoto que é o mundo, a puta da banca e a merda do papel. Que todos os que têm para esbanjar que apodreçam no caralho mais velho. Ou, que pelo menos não esfreguem a packa na cara dos que sobrevivem no meio desta escumalha cheia de jóias e luxos. Estes bois com milhões a acabarem a meta na linha branca... E, deste lado, só há linhas para ler dos ficheiros do centro de emprego. Linhas das facturas. Linhas... 

1 comentário:

nês disse...

Infelizmente a maior parte das pessoas vive assim!