11 de fevereiro de 2014

um ponto grande e negro


Não vou comprar qualquer tipo de guerra contigo. Não abdicaria de deixar de plantar flores simples no meu jardim para plantar bombas ainda que tenha uma certa vontade de o fazer porque realmente tu fervilhas cada poro da minha pele. Apetites incontroláveis de fúria que me sobem pela espinha acima. Só eu sei quantas vezes tenho que respirar fundo quando penso só cruzar-me apenas com a tua sombra. Só de me lembrar da cor do teu cabelo. Não deixa de ser bom, nem mau. Já sei que definitivamente nunca iremos condizer. Nem um bocadinho inho. Simplesmente, não funciona. É assim... É nulo. Um ponto grande e negro posto a um canto que não interessa a ninguém. Faz-me um favor e encara-me assim. Como um ponto grande e negro posto a um canto que não interessa a ninguém. Ou, então, simplesmente encara-me. 


1 comentário:

nês disse...

Odeio é sinônimo de amor... talvez..