18 de novembro de 2013

a procura da perfeita repetição


Caricias e malicias pela noite dentro. Kayas e manhas. Colados tipo mortalha, sem vergonhas ou pudores. Os nossos corpos amam-se. Completam-se. As nossas mentes equilibram-se. Conhecemos os sabores de cor, os tesouros e as lágrimas. Ajuda-mo-nos, crescemos e o que me dá uma tesão incrivel é como um Homem está disfarçado na cara de um puto. Um sorriso que me mata. Uma euforia quando vejo aqueles olhos colados nos meus. Feedbacks positivos. É por nós. Inexplicável como nos esquecemos do Mundo. É saboroso saber que por muitas vezes que batemos com os cornos parede, se batermos com motivação, as cenas sucedessem porque o tempo sorri, se tu sorrires. O meu sexto sentido sempre segui-o aquele fundamento de quem não arrisca, não petisca. Adoro o strip tease que fazes com a minha mente, com o meu corpo, com a minha alma, com o meu espírito. Levita-me. Sinto-me uma mulher do caralho no topo da Lua a fumar um kachucho e ao meu lado tenho o meu chabalo por quem esperei. Com quem conversei. Com quem fumei. Com quem tive a minha primeira noite de amor e depois se tornou um vício tão suave. Sempre perguntei: Vamos fumar um kachucho pendurados na Lua? Porque, ya, o ceu é infinito então imagina a vista lá de cima. Agora, tenho a minha própria Lua. Uma galáxia de acontecimentos que me estão a tornar numa pessoa humana.


Vou dormir contigo, hoje?

2 comentários:

Rafael S. disse...

haha, o título e este texto são ironia para o comentário que eu fiz lá no outro blogue...

não, mas a sério, não te queria ofender e desculpa se o fiz, não foi por mal, estava só a dar a minha opinião, pensei que fosse boa e construtiva, não a interpretaram como tal, talvez seja culpa minha por não me saber expressar como as pessoas normais.

desculpa.

mafalda disse...

Falas sem papas na língua, escreves o que pensas, dizes o que sentes, é tão claro como um ponto final. Amei.